terça-feira, 27 de maio de 2014

Bernúncia - Uma figura folclórica da Ilha de SC!



O bernunça ou bernuncia, como queiram chamá-la, é uma espécie de bicho-papão que, como diaz a tradição: come pão, come bolacha, come tudo o que lhe dão. Por isso ela engole tudo o que encontra pela frente. 

Esta figura folclórica, faz parte da brincadeira do boi-de-mamão da Ilha de Santa Catarina e municípios vizinhos.  

O boi-de-mamão é uma expressiva manifestação folclórica que ocorre no estado de Santa Catarina, Brasil, sendo encenado principalmente na região litorânea. Com origem nas brincadeiras com o boi feitas nos Açores, tem seu primeiro registro com este nome em Santa Catarina datado de 1840. Inicialmente era chamado boi-de-pano.

Trata-se de um auto em tom cômico, mas com um elemento central dramático: a morte e a ressurreição do boi. Apresenta elementos comuns com o bumba-meu-boi nordestino. 

(Fonte de pesquisa: http://pt.wikipedia.org/wiki/Bernun%C3%A7a - retirada no doa 27 de maio de 2014)
 xXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Bernunça também é sinal de prenúncio!

Na minha meninice, era comum assistir a brincadeira do boi o ano inteiro, não somente em datas específicas do ano. Eu morria de medo que a bernunça comece os meus dedões das mãos, porque eu era acostumada a chupar meus ricos dedinhos e minha mãe sempre dizia:
- Minha filha, é bom parar de chupar dedo, senão qualquer noite dessas a bernunça vem e come os dois, cuidado!

Então quando minha mãe levava eu e meus dois irmão para ver a brincadeira do boi-de-amão, quando a bernunça entrava para a sua dança, eu enfiava todos os meus dedos das mãos dentro da boca. Nesse tempo, atrás do boi ia um mascarado todo de preto que numa noite de brincadeira do boi, ele levou o meu bico (uma chupeta cor-de-rosa). Dei a ele em troca dos meus dedões. 
Confesso que, mesmo sentindo o medo roer meu peito por dendro, o bicho que eu mais gostava de ver dançar era o "bicho-papão". Principalmente quando ele engolia uma criança atrás da outra. O dia em que ele me engoliu, acordei em casa, no colo do meu tio José. (Claudete da Mata)