domingo, 13 de setembro de 2015

01 de Setembro - OLBL: Formação de Escritores e Mediadores do Livro e da Leitura!

Antes das leituras da tarefa do encontro anterior, entreguei a cada um dos presentes a revista "Ler & Cia", que eu e Evandro fomos buscar na livraria Catarinense, antes das 15h desse dia. A revista contem entrevistas importantes ao refinamento do processo de criação literária. As leoas (Dora Duarte, Viviane A. da Cunha e Idê Bitencourtt, levaram cada uma o seu exemplar. Pontuamos os conteúdos que esclarecem sobre a arte de escrever para crianças, com a fala de Eva Furnari: Contadora de boas histórias. Com Eva, conversamos sobre a qualidade textual e ilustrações que despertam o imaginário, além de entreter o leitor infantil, também os adultos. E outros pontos importantes. A revista também contem outras entrevistas que devem ser estudadas, interessantes para quem deseja entender a si mesmo e saber a importância da leitura na vida do escritor consciente.
Após mais o momento de aprendizado com Olga Furnari, tivemos a leitura das produções (tarefa da aula passada) elaboradas com o elemento de inspiração: Flor (de sua preferência). 

Por meio das leituras, o escritor consegue visualizar o que procura para  estruturar o seu processo criativo, até mesmo o próprio estilo. Se prefere escrever para crianças, deve ler livros infantis. Ler muito. Ler tudo o que consegue. A leitura contribui o aumento da qualidade criativa do escritor, abrindo os seus múltiplos olhares. A leoa Marina subiu ao palco para ler a sua produção, após o momento de estudos. suas produções tem sido surpreendentes.


Escritores sem o hábito da leitura, não consegue ir além do próprio olhar sem pre a convergir para o mesmo ponto de visto, a mesma forma de retratar o imaginário, o mesmo objeto criação, a mesma forma de fazer literatura, o mesmo tempo... Não se permite sair da zona de conforto - ou pela facilidade que a mesmice lhe permite ou, então, pela dificuldade de aceitação e adaptação ao novo. Ou então, passa pela impossibilidade cognitiva de ir além do que o próprio processo de criação lhe permite. Também, pode estar em conflito interior. O que contribui com o processo de criação linear, em busca de algo que precisa para satisfação própria. É quando o escritor acaba esquecendo do atendimento ao leitor. Acaba ficando a dissertar textos e mais textos, para satisfazer o Ego que cresce mais e mais, provocando a cegueira no olhar. Algo que acontece no cotidiano de muitos escritores que, sem se darem conta da real situação, pela cegueira instalada, nestas situações acaba por não aceitar o olhar do outro que está do lado de fora a ver tudo o que está a acontecer. Quando o escritor consciente se aproxima para dar o seu apoio, o escritor sob o céu tão vazio e o dominado do Ego, ao sentir-se ameaçado fica contrariado. Ele mesmo, fecha a porta para quem deseja lhe ajudar a arrumar a casa da imaginação. 

No dia 15 de setembro, vamos apresentar a leitura da tarefa de casa: ESCREVER UM CONTOS QUE TENHA COMO PERSONAGEM PRINCIPAL, UM INSETO DE SUA LIVRE ESCOLHA.
Idê fez a leitura do conto de sua autoria "O Anel".
Dora Duarte fez a leitura do conto de sua autoria "Dona Aedes e o Besouro e Rola-Bosta"
Material para leitura: http://www.museudapessoa.net/public/editor/memoriasliterarias_8dez2009-final.pdf, após leitura, procure o autor que mais se aproxime do seu estilo e traga-o para falar sobre a impressão que ativou a sua escolha.

Após todas as leituras, abriu-se um espaço para a mediação de leitura animada. Foi muito produtivo o encontro do Dia 01 de setembro. Depois de editar os filmes, colocarei à disposição dos nossos leitores. Viviane não foi fotografada.

Estiveram presentes: Dora Duarte, Idê Bitencourtt, Marina U., Viviane R. da Cunha e Claudete T. da Mata (Ministrante e coordenadora da OLBL).

Estaremos de volta à BPSC, no dia 15 de setembro com a apresentação da tarefa: Escolha um inseto de sua preferência, de repente, aquele que conversava com você lá na sua infância, e exerça o seu processo criativo escrevendo um conto cheio de encantos!!!

Claudete T. da Mata
Coordenadora e Ministrante da OLBL.
Presidente de Honra da Academia Brasileira de Contadores de Histórias - ABCH
Contadora de histórias e mediadora do livro e da leitura
Atriz bonequeira e arte cênica
Pedagoga, Especialista e Mestre em Psicopedagoga Clínica e Institucional
Pesquisadora, voluntária na elaboração de projetos e práticas da oralidade
Atualmente aposentada e livre para fazer todas as suas artes.
O único prêmio recebido até a presente data, é o encantamento das crianças de todas as idades que conhecem o seu trabalho pessoalmente, também a confiança de seus alunos de oficinas.
Possui vários contos, prontos para serem editados, entretanto, como ainda não conseguiu tal realização, eles estão guardados no seu baú cheio de personas.
Claudete_tm@hotmail.com