domingo, 13 de março de 2016

Vídeo 2 - Colônia de Férias com Mediação de Leitura Animada

ACADEMIA BRASILEIRA DE CONTADORES DE HISTÓRIAS (ABCH-MATRIZ)



Levei às crianças e aos adultos (Professores) presentes, o livro PINGUILIM, VOZ DE FLAUTIM, de SYLVIA ORTHOF: Apaixonada pelas narrativas da autora, a mediadora cantarolou com as crianças a poetizar por meio desta melodia de improviso a chamar as crianças  à entrada no universo dos livros. 

Sou Ré-confesso: Não resisto às narrativas da Dramaturga, atriz, pesquisadora, escritora... Sylvia Orthof. Juntas viramos dupla - Uma de lá e outra de cá. Juntas começamos a brincar com os leitores-ouvintes não resistimos as brincadeiras com o livro a pousar nas palmas de nossas mãos entre canto e conto, melodias e poesias... O livro, cheio de gostosuras, nos chama.

O Pinguilim é assim: Um homem simples que toca violão e um tico-tico com uma voz maravilhosa. Neste livro encantador de Sylvia Orthof, essa dupla passa por diversas confusões e transformações - no céu, na água, com bruxa malvada, onde tudo pode acontecer, em especial a parceria musical a se manter firme e cheia de fomentos a chamar o leitor para uma viagem cheia de brincadeiras entre confusões - parece coisa de criança pequena e grande, de todos os tamanhos. 

Quer saber um pouquinho sobre a autora?

Sylvia Orthof, uma carioca da gema nascida em 1932, sempre a esbanjou os seus talentos sem fronteiras. Resgatou as histórias narradas por sua mãe. Eram histórias que povoaram sua infância e iam escrevendo os livros de sua memória a lhe convidar para viagens únicas. Cada escritura da autora é um convite ao leitor para viajar e procurar mais e mais. Sua primeira paixão literária foi Monteiro Lobato. Na adolescência, Sylvia decidiu ser atriz. E não é que o sonho deu certo? Logo começou a atuar nos palcos e foi estudar teatro em Paris. De volta ao Brasil, atuou no Teatro Brasileiro de Comédia (TBC) e em peças para a televisão, escreveu para teatro de bonecos, coordenou o Teatro do SESI. Em meio a tantas atividades, a autora nunca deixou de lado o gosto pelas letras e, em especial, pelas histórias para crianças. Fundou a Casa de Ensaios Sylvia Orthof em 1975, que produzia apenas espetáculos infantis. Sylvia gostava de cantar, dançar, desenhar e até de costurar bonecos e roupas para os espetáculos. Da dramaturgia, partiu rumo à literatura infantil. Em 1975, foi convidada a escrever um conto para a revista Recreio — foi o primeiro passo para que a literatura infantil nacional ganhasse uma de suas maiores autoras. Seu primeiro livro foi lançado em 1981: Mudanças no galinheiro mudam as coisas por inteiro. É uma das principais autoras da consagrada coleção Lagarta Pintada, da editora Ática, da qual fazem parte os premiados títulos A vaca mimosa e a mosca Zenilda (que recebeu o Prêmio Jabuti de Melhor Produção Editorial), Maria vai com as outras e Fada Cisco Quase Nada. Sylvia foi dona de um texto ágil, repleto de criatividade e de um riso contagiante. Faleceu em 1997, deixando mais de cem livros publicados para os pequenos leitores.

Tempo: O que era para ser 40 minutos, se alongou até 1h20 entre contos, mediação de leitura e do livro a encantar essas crianças.

Deixei que elas tivessem acesso aos objetos da mala: Livros e demais personagens. Ao ver e sentir o ritmo das crianças e das professoras fui levada, pelas necessidades observadas, à modificação da metodologia de desenvolvimento da ação planejada. Ao final, fiquei no mesmo plano geográfico dos leitores-ouvintes - uma proximidade que facilitou a comunicação e diminuiu o nível de estresse dos adultos presentes. 

As crianças de idades variadas, precisaram desta aproximação entre narrador-mediar e leitores-ouvintes em contato com o livros diferentes do seu cotidiano escolar. Os leitores ficaram deslumbradas com os elementos da mala, os livros e até com a D. Baratinha apresentada no vídeo 1. E a contadora de histórias-mediadora do livro e da leitura animada, soltou a sua criança. 

Claudete T. da Mata (Coordenadora da Oficina Literária Boca de Leão - Projeto de sua autoria)